Se a gorda não pode, eu vou lá tratar da chaimite

Sou só eu que adoro a palavra chaimite? É que gosto mesmo. Chaimite, chaimite, chaimite. Por mim, estava o dia todo nisto. Ainda por cima, acho que o nome lhe acenta que nem uma luva: é um veículo fofinho, com uns pneus muita grandes e um canhão que provavelmente só deve ser usado na ceifa e que, provavelmente, não mata, mas desmoraliza muito (Raul, estou-te sempre a roubar coisas). Não anda muito, 99km/h de velocidade máxima, e deve gastar que se farta. Faz-me lembrar um Renault 12 que o meu pai teve.

Assunção Esteves espalhou a ideia e Joana Vasconcelos recusou. Isto de combinanços entre gajas nunca corre bem. A Assunção deu logo a ideia toda “Gorda, pegas numa chaimite, espalhas um porradão de cravos em cima da coisa, colas tudo com fita gomada e tá armada a tenda das comemorações dos 40 anos do 25 de abril. É que fora isso não temos mais nada.” A gorda achou que a ideia até era boa, mas que não dá tempo. Não dá tempo? Mas ela quer semear os cravos na chaimite ou quê? A estátua do Rei Eusébio ficou tratada num dia, sem plano de ação e ficou a coisa mai linda. Numa semana fizeram-lhe um mausoléu e está ali um tributo magnífico. E foi feito por malucos da bola, não foi por gente que anda a fazer sapatos de salto alto gigantes no Palácio da Ajuda.

O Parlamento deve estar em alerta vermelho. “Então e agora? O que é que a gente faz? Um powerpoint? Um calendário com mulheres nuas a tapar as partes com cravos? Uma gala com as canções da revolução? Espera, isso é o que fazemos todos os anos.”

É que são 40 anos e a ideia que me dá, é que faltam dois meses…e os bacanos não têm nada! Nem podem sequer contar com a gorda. Mas por mim fazemos assim: três dias antes vós arranjais-me uma chaimite. Eu levo uma malta aqui do bairro e trato dos cravos e da fita gomada. Pomos isso num mimo e salvamos a festa da democracia. Mas aviso já: não passo recibo. Mais informo que esta ideia fica sem efeito se não me deixarem guiar a chaimite pela avenida abaixo.

Anúncios

2 thoughts on “Se a gorda não pode, eu vou lá tratar da chaimite

  1. Eu alinho contigo mas quero ir com a cabeça de fora.
    Se não te importares, e visto que és tu a conduzir o veículo, fazemos uma paragem ali à assembleia e damos um tirinho de canhão. Só para ver se funciona.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s