Super-Passos: um, dois, três, salva(va) todos!

5930-shipwreck_man_looking.630w.tn

Quando eu era criança, ainda se brincava na rua sem medo de ser vítima de rapto e fazer parte das estatísticas de tráfico de seres humanos. Quando alguém trazia bola, arranjava-se dois calhaus para fazer as balizas e a paródia arrancava ao apito de um árbitro de que ninguém precisava. Quando não havia bola, havia bicicleta. Éramos muitos, às vezes, e praticávamos malandragens como se fôssemos os Hells Angels do pedal. Quando não havia nem bola nem bicicleta, jogava-se às escondidas. E quando se jogava às escondidas normalmente eu acabava em casa, amuado. A malta do bairro gostava de jogar às escondidas com a modalidade “o último salva-todos”. Eu odiava que o último pudesse salvar todos! Era estúpido! Estúpido, estúpido, estúpido! Sobretudo porque tínhamos uma besta chamada Carlitos que era um autêntico ninja. Nove em cada dez vezes ele salvava todos. O infeliz que ficava a contar números de costas para o mundo e no fim gritava “aí vou eu”, nunca se podia esconder por causa do Carlitos que insistia em livrar todos.

O Super-Passos é como o Carlitos: um ninja salva-todos. O Crato quis ir embora porque a colocação de professores não correu lá muito bem, mas o Super-Passos não permitiu. Um, dois, três, salva-todos!

A Paula Teixeira da Cruz, que nem com dois desgraçadinhos-expiatórios se safou, tem mais vidas que um gato. O Super-Passos apanhou-a num voo rasante segundos antes de ela se estatelar no alcatrão e se desafazer em esparguete à bolonhesa. Um, dois, três, salva-todos!

Até o Senhor Irrevogável, Paulo Portas, conseguiu escapar do que toda a gente pensou ser a implosão final. “Vais aonde? Isso é o que tu pensas. Nada permitirei que te aconteça, Paulinho”. O Super-Passos, com a sua velocidade supersónica inverteu o movimento de rotação da Terra e tudo não passou de um “foi sem querer”. Um, dois, três, salva-todos!

É preciso resgatar o Relvas? Pois, esse é um trabalho para o Super-Passos. O conselho nacional do partido é um bom lugar para te abrigares dos inimigos. Um, dois, três, salva-todos!

Caiu, com estrondo, o meteoro dos vistos doirados, mas, uma vez mais, o Super-Passos safou… Ah?! Miguel Macedo apresentou a demissão? E o Super-Passos não o salvou? O que é que aconteceu à ideia de manter todos no barco enquanto isto não for definitivamente ao fundo?

A certa altura, lá no bairro, nós também deixámos de ter um salva-todos. Por alturas dos primeiros pelos púbicos, o Carlitos mudou-se e nunca mais jogámos às escondidas com essa modalidade. Umas vezes ganhava eu, outras vezes ganhava o Pedrinha, outras ganhava o Barbosa. Tinham-se acabado os ninjas e ganhávamos ou perdíamos com base no mérito. O critério que separava a vitória da derrota passou a ser a competência na arte do bem esconder.

 

 

Anúncios

One thought on “Super-Passos: um, dois, três, salva(va) todos!

  1. Tenho a doce desconfiança que o sr primeiro ministro agarra se de unhas e dentes aos amigos porque não saberia o que fazer sem ele…tipo aquele gajo que andava na nossa escola, aquele que não ia ao bar sem perguntar se íamos primeiro…que só fazia gazeta se acompanhado, etc.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s