Slogan de campanha mais eficaz para ganhar um sufrágio

Anúncios

Nenhuma das anteriores

Boletim de voto

Sempre tive curiosidade em experimentar, nem que fosse por uma semana, viver num país onde a maioria das pessoas vivesse satisfeito com a capacidade e prestação dos seus líderes. Fui ver e parece que os cidadãos que mais confiam nos seus governos habitam no Laos, no Tajiquistão (?)…e no Ruanda. Olha, merda! Assim, fica difícil manter o otimismo. Há 37 anos que ando para aqui entregue a este Portugal e nunca lhe conheci um governo que enchesse, nem que fosse pela metade, o tanque da satisfação. É óbvio que faz parte do DNA luso viver descontente e bem-querer o canto das carpideiras. Nós curtimos! É fixe! “Estou na merda, mas sou feliz porque tenho sol, gajas, futebol, entrecosto e cerveja!”. E esta invenção (alguém disse anedota?) das sondagens diárias sempre enfia mais uns baldes de esterco pelo bucho.
– Ai, mas olha que as sondagens na Grécia e no Reino Unido também diziam que coiso e afinal cena.
Pois. Mas se há cobertor que o Tuga não dispensa é o da previsibilidade. É aquele confortozinho que a gente não dispensa nem que chova merda todos os dias. A necessidade do Tuga de fazer parte da carneirada – há um termo técnico para isto, mas não me lembro qual é – permanece viva, geração após geração, movimento após movimento, falhanço após falhanço, deceção após deceção. E vem o velho com o Correio da Manhã debaixo do braço e diz:
-Ah, eu até votava num dos partidos pequenos para variar, mas eles nunca ganham.
Ou votamos para ganhar, ou não votamos. Pois claro, todos queremos estar do lado dos “vencedores”. É como aquelas pessoas que não respondem Benfica, Porto ou Sporting quando lhes perguntam de que clube são. Se dizem que são apenas do Moreirense aí é que nós ficamos convencidos que há mesmo água em Marte.
Os “vencedores” – os laranjas e os rosas – são aqueles que têm feito sempre de nós derrotados. E vão variando. Agora eu, agora tu. Agora nós, agora vós. E Deus nos livre de nos tirarem a trampa do costume! De que é que fazíamos os bonecos carros alegóricos no Carnaval? Do Papa Chico? Até os bacanos que cortam pescoços a galinhas gostam dele, gaita!
Em dia de reflexão (ainda vou preso) ainda sonho com o dia em que os boletins de voto tenham uma opção: “nenhuma dos anteriores”. Mas eu sonho com muita coisa estúpida. Vejam lá que até acho que a democracia e o direito ao voto são cenas incríveis. Idealismos! Tenho tanto que aprender…